O tamanho do meu pênis


(Atenção: Texto impróprio para homens mal resolvidos e para mulheres que repetem suas “preferências” feito loiras burras da TV)

Hoje consigo interpretar o porque , desde que comecei a descobrir minha sexualidade, os meninos são grandes aficionados pelo próprio órgão sexual.

Longe dos fundamentos científicos – mas empiricamente – eu diria que homens adoram pintos. Tanto que, em banheiros públicos, homem faz xixi naquelas cubas enfileiradas onde alguns podem revelar e muitos esconder seus motivos de tanta comparação entre os garotos.

Quantas piadinhas e brincadeiras já foram feitas a respeito do “dote” masculino!

Com o tempo, um pouco mais conscientes, nos vemos impotentes diante do irremediável tamanho de nossos miúdos e, mais adultos, passamos a incrementar nossas necessidades de afirmação masculina na busca louca da grana, do poder e de todos os bens aparentes que essa nova situação permite comprar.

A questão, entretanto, ainda está lá. O tamanho do órgão passa então a ser medido pelo tamanho da nossa conta corrente, a qual dará a falsa impressão de poder e de consumo.anturio-foto-flor

Continuamos olhando uns aos outros. Desta vez medindo o tamanho do dito cujo na potência dos automóveis do ano, nas fachadas, nos bens acumulados, nas griffes, na competição.

Os menos favorecidos de nós, recorremos ao pinto coletivo, os times de futebol, por exemplo, onde as torcidas se degladiam nessa auto-afirmação das dimensões de sua masculinidade. Chegam a morrer e matar por causa de 11 homens peludos.

Quanto dessa necessidade de afirmação através de um símbolo e de sua “metragem” diz da pobreza e falta de sensibilidade para conosco próprio e com nossas companheiras?

Ou acreditamos que exista o orgasmo uterino, se é que pensamos na satisfação de nossa parceira ! Só o orgasmo uterino pra justificar que tamanho é documento.

Ao que me consta as possibilidades de dar e receber prazer da pessoa amada estão logo ali na portinha ou na sala onde descansa o discutível ponto G, que não vai muito além.

Isso para ficar somente no ato propriamente em si. Sem falar de todas as circunstâncias e todas as brincadeirinhas permitidas a quem, além do mecanismo da sexualidade, visualiza uma interação de sentimentos e afinidades.

Porque então a preocupação com as dimensões do intruso?

Preocupações estas que acabaram se esparramando também nas conversinhas femininas cujas vítimas, possivelmente dos conceitos cometidos por grandes intelectuais brasileiras do tipo loira-bunduda-burra, que abundam na mídia, transformaram-se muitas delas, ruivas, morenas, negras, brancas, loiras, em grandes interessadas no polinômio:
tamanho do pênis/grana/aparência/status esquecendo-se definitivamente do acolhimento, da delicadeza, da elegância natural.

Muitas delas, entraram de tal forma nessa ideologia, que passam a disputar com os homens nesse plano artificial em nome de um feminismo manco e burro.

Para muitos de nós, em breve haverá um banheiro comum, cheio daquelas cubinhas, onde homens e mulheres, indistintamente, poderemos satisfazer uns aos outros a curiosidade que temos a respeito das dimensões dos pênis alheios.

Homens e mulheres cuspiremos no chão, falaremos alto em restaurantes, buzinaremos freneticamente no trânsito e mostraremos o dedo do meio, furaremos filas nos bancos, empinaremos nossos narizes diante dos desvalidos e continuaremos a abaixar as cabeças àqueles de nós que possuírem as melhores contas bancárias, porque imaginamos serem eles os portadores dos maiores pintos.

Continuaremos achando que a vida é uma festa de consumo irracional. De turismo frenético. De agendas quanto mais lotadas melhor. De falta de tempo pra viver… Continuaremos trepando em vez de fazer amor

Continuaremos achando que a felicidade existe mas custa caro
(em tempo…

Aldo Della Monica

PS. Em tempo: para quem ainda tiver curiosidade, minha conta bancária não é lá essas coisas, não torço para nenhum time, tenho um automóvel popular econômico e o meu…. bem….quem teve acesso, gostou !


 Afinal, pelo que as mulheres têm tesão?

image
A pergunta que jamais calou (e ainda está longe de calar) no século XXI: O que as mulheres querem? De psicólogos a poetas, todos formularam infinitas teorias para tentarem explicar o mistério, e confesso que ainda não compreendi. Mesmo sendo mulher, e amando sê-lo, prefiro estudar todas as leis da metafísica do que tentar explicar as razões de uma TPM.
Mas quando o assunto é tesão, eu me arrisco a um palpite. Portanto, homem, antes de continuar essa leitura, esquece esse bíceps. Juro, pode esquecer. Você não deve a ele nem uma ínfima porcentagem de mulheres (veja bem, mulheres) com as quais você transou.
Aquela última, lembra? Provavelmente sentiu-se atraída pelo seu cheiro ou pelo modo como você fumava, ou pelo tom da sua voz quando disse “alô” ao telefone. Talvez pelo seu andar, pela combinação jeans + camiseta branca, pelo modo como você dirigia enquanto acariciava a coxa dela ou pelo seu papo espirituoso. Enfim, existem milhões de possibilidades que podem tê-la deixado molhada logo que pôs os olhos em você, mas isso provavelmente não teve muito a ver com o seu bíceps – ou com a sua conta bancária, se é nisso que você está pensando.
Não dá pra explicar – como todas as coisas maravilhosas na vida – o que é que leva alguém a sentir tesão. Se fosse assim, ninguém precisaria se masturbar. Teríamos uma legião de comedores e comedoras que não passam vontade. (E, cá pra nós, temos mais punheteiros na face da terra do que grãos de areia no mar.)
 A verdade é que tem muita gente errando nos elementos afrodisíacos, por assim dizer. Calma – no vinho você tem acertado. O erro está – na minha humildíssima opinião – no modo como as pessoas costumam conquistar. Cultivando o artificial e deixando a naturalidade de escanteio. Calma de novo – Não há nada de errado com ir à academia, antes que os marombas de plantão comecem a me bombardear. Mas eu, como mulher, posso contar: A maioria das mulheres quer dar para homens sensíveis e seguros. Não, não existe um manual quilométrico. Pode acreditar em mim: Existe, apenas, um charme natural a ser cultivado. O seu charme.
Só se pode ter uma certeza quanto a isso: Não há receita pronta. Não se trata de ter um pau grande e viril, um abdome sarado, uma barba sedutora ou seja lá o que for. Tesão é instintivo demais para obedecer um padrão. Ele vem de uma conversa na hora certa, de um olhar que diz algo que a outra pessoa consegue, imediatamente, captar. De um cheiro que faz ela querer chegar mais perto ou de um abraço despretensioso que funciona como uma amostra grátis do que você pode proporcioná-la (sim, nós observamos isto).
As mulheres que vão te proporcionar um sexo gostoso não sentem tesão por paus em tamanhos inacreditáveis ou bíceps bem definidos. Sentem tesão pela sua história, pela sua voz, pelo som da sua risada, por qualquer detalhe seu que tenha uma conotação sexual (não proposital, evidentemente). Mulheres bem resolvidas não querem dar pra um pau, pra um bíceps ou um par de coxas. Querem dar a um homem: Com vivências e peculiaridades, capaz de proporcionar experiências que vão (muito) além do orgasmo.
Nathalí Macedo

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>