Da Paulicéia do século XVIII à louca São Paulo de hoje

Loudspeaker.svg

São Paulo (pronuncia-se AFI[sɐ̃w̃ ˈpawlu]  ouça) é um município brasileirocapital do estado homônimo e principal centro financeirocorporativo e mercantil da América do Sul.[10] É a cidade mais populosa do Brasildo continente americano, da lusofonia e de todo o hemisfério sul.[11] São Paulo é a cidade brasileira mais influente no cenário global, sendo, em 2016, a 11.ª cidade mais globalizada do planeta,[10] recebendo a classificação de cidade global alfa, por parte do Globalization and World Cities Study Group & Network (GaWC).[12] O lema da cidade, presente em seu brasão oficial, é Non ducor, duco, frase latina que significa “Não sou conduzido, conduzo”.[13]

Fundada em 1554 por padres jesuítas, a cidade é mundialmente conhecida e exerce significativa influência nacional e internacional, seja do ponto de vista culturaleconômico ou político. Conta com importantes monumentosparques e museus, como o Memorial da América Latina, o Museu da Língua Portuguesa, o Museu do Ipiranga, o MASP, o Parque Ibirapuera, o Jardim Botânico de São Paulo e a avenida Paulista, e eventos de grande repercussão, como a Bienal Internacional de Arte, o Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1, a São Paulo Fashion Week e a Parada do Orgulho LGBT.

O município possui o 10.º maior PIB do mundo,[14] representando, isoladamente, 11% de todo o PIB brasileiro34% do PIB do estado,[15] bem como 36% de toda a sua produção de bens e serviços, além de ser sede de 63% das multinacionais estabelecidas no Brasil,[16] sendo ainda responsável por 28% de toda a produção científica nacional em 2005,[17] e por mais de 40% das patentes produzidas no país.[18] A cidade também é a sede da B3 (sigla de Brasil, Bolsa, Balcão), a 5.ª maior bolsa de valores do mundo em capitalização de mercado (dados de 2017), resultado da fusão da Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros de São Paulo (BM&FBOVESPA) com a Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos (CETIP).[19] São Paulo também concentra muitos dos edifícios mais altos do Brasil, como os edifícios Mirante do ValeItáliaAltino Arantes, a Torre Norte, entre outros.

A cidade é a 8.ª mais populosa do planeta e sua região metropolitana, com cerca de 21 milhões de habitantes,[20] é a 10.ª maior aglomeração urbana do mundo.[21] A capital paulista também possui um caráter cosmopolita, dado que, em 2016, possuía moradores nativos de 196 países diferentes.[22] Regiões ao redor da Grande São Paulo também são metrópoles, como CampinasBaixada Santista e Vale do Paraíba; além de outras cidades próximas, que compreendem aglomerações urbanas em processo de conurbação, como Sorocaba e Jundiaí. Esse complexo de metrópoles — o chamado Complexo Metropolitano Expandido — chegava a 33 milhões de habitantes em 2017[23] (cerca de 75% da população do estado[23] e 12% da população do país) formando a primeira megalópole do hemisfério sul,[24] responsável pela produção de 80% do PIB paulista e de quase 30% do PIB brasileiro.[25]

2 comentários em “Da Paulicéia do século XVIII à louca São Paulo de hoje”

Deixe uma resposta