Jovem Guarda nas Jovens Tardes de Domingo

Jovem Guarda foi um movimento cultural brasileiro surgido em meados da década de 1960, que mesclava músicacomportamento e moda, traduzindo-se, portanto, em um estilo ou gênero musical, em um modo de comportamento, e em um modo de vestir.

Jovem Guarda – Imagens Raras das Jovens Tardes de Domingo com Roberto Carlos

Consolidado com este nome em 22 de agosto de 1965, a partir da estreia do programa Jovem Guarda exibido pela TV Record, em São Paulo, apresentado pelo cantor e compositor Roberto Carlos, conjuntamente com o também cantor e compositor Erasmo Carlos e da cantora Wanderléa, deu origem a toda uma nova linguagem musical e comportamental no Brasil. Sua alegria e descontração transformaram-na em um dos maiores fenômenos nacionais do século XX.

Sua principal influência era o rock and roll do final da década de 1950 e início dos 1960 e o soul da Motown.[1] Grande parte de suas letras tinham temáticas amorosas, adolescentes e açucaradas – algumas das quais, versões de hits do rock britânico e norte-americanos da época.

Por essa inspiração, a Jovem Guarda tornou-se o primeiro movimento musical no país que pôs a música brasileira em sintonia com o fenômeno internacional do rock da época, catalisado especialmente pelos Beatles. Os músicos e cantores começaram a fazer versões de músicas estrangeiras com letras próprias em português para lançar como se fossem suas, para depois compor suas próprias musicas em uma segunda fase.

Além de Roberto, Erasmo e Wanderléa, destacaram-se no movimento artistas como Ronnie VonEduardo Araújo e Sylvinha AraújoWanderley CardosoJerry AdrianiMartinhaVanusaRossini PintoLeno e LílianEvinha (Trio Esperança), Deny e DinoPaulo SérgioDick DanelloReginaldo RossiSérgio ReisAntônio MarcosMárcio GreyckSérgio MuriloWaldireneArthurzinhoEd WilsonRonnie CordJorge Ben JorTim MaiaBobby de CarloGeorge Freedman, além de bandas como Golden BoysRenato e Seus Blue CapsLafayette e seu ConjuntoOs IncríveisOs Vips, Os Jovens, The Pops e The Fevers.

Grandes Sucessos da Jovem Guarda

Fenômeno midiático que arrastou multidões, também designado como iê-iê-iê, em alusão direta à expressão yeah-yeah-yeah presente em sucessos dos Beatles, a Jovem Guarda era vista com restrições por setores da crítica, uma vez que sua música era considerada alienada pelo público engajado, mais afeito, primeiro à bossa nova e, depois, às canções de protesto dos festivais.

Origens

O programa “Jovem Guarda” foi uma criação da agência de propaganda Magaldi, Maia e Prosperi para a grade de programação da TV Record. A demanda veio com a proibição das transmissões ao vivo das partidas de futebol aos domingos.

Os idealizadores do programa inspiraram-se em uma frase do revolucionário russo Vladimir Lenin, onde dizia “O futuro pertence à jovem guarda porque a velha está ultrapassada”.[4] Eles vincularam a expressão com a imagem dos então emergentes cantores Roberto Carlos, Erasmo Carlos e Wanderléa.[5][6]

Auge e fim

Roberto Carlos, principal ídolo da Jovem Guarda.

Amparado por gravadoras e campanhas publicitárias, rapidamente o movimento repercutiu em termos de vantagens e de popularização dos seus ídolos. Fenômeno de audiência, o programa de auditório levava ao Teatro Record centenas de jovens, atraídos pelo trio Roberto-Erasmo-Wanderléa, além de artistas convidados. No ápice da sua popularidade, chegou a atingir 3 milhões de espectadores só em São Paulo] – fora as cidades para onde chegava em videotape, como as capitais Rio de Janeiro, Belo HorizontePorto Alegre e Recife.[6]

Mais do que um fenômeno televisivo, a Jovem Guarda impulsionou o lançamento de discos, roupas e diversos acessórios. Todo um comportamento jovem daquele período foi formatado a partir do programa e seus apresentadores. O modo de se vestir (calças colantes de duas cores em formato boca-de-sino, cintos e botinhas coloridas, minissaia com botas de cano alto) bem como as gírias e expressões (“broto”, “carango”, “legal”, “coroa”, “barra limpa”, “lelé da cuca”, “mancada”, “pão”, “papo firme”, “maninha”, “pinta”, “pra frente”, e a clássica “é uma brasa, mora?”) viraram referência para muitos adolescentes do período.

No final de 1968, Roberto Carlos deixou o programa de auditório. Sem seu principal ídolo, a TV Record retirou o programa do ar. Desta maneira, o movimento como um todo perdeu força, até que desapareceu no final da década de 1960.

Legado

Com o fim do movimento, os artistas da Jovem Guarda tomaram três caminhos distintos a partir da década de 1970. Enquanto alguns de seus artistas mantiveram-se identificados com o rock (Os Incríveis, Eduardo Araujo, Erasmo Carlos) e outros se mudaram para a música sertaneja (como Sérgio Reis), a grande maioria deles enveredou-se para a música romântica, de forte apelo popular. Foram os casos de Roberto Carlos, Wanderley Cardoso, Jerry Adriani, Ronnie Von e Reginaldo Rossi (líder, durante a Jovem Guarda, da banda The Silver Jets).

As estética Jovem Guarda, especialmente suas baladas, tiveram grande influência sobre uma nova geração de artistas da música popular brasileira a partir da década de 1970, como Odair JoséDiana, em uma vertente que acabou sendo tachada por críticos de “música cafona“.

Antes disso, a Jovem Guarda foi a principal responsável pela introdução da guitarra elétrica e do órgão Hammond por Lafayette em gravações de Roberto Carlos, Erasmo Carlos, Wanderléa e a maioria dos artistas da Jovem Guarda, em seus discos com solo de Órgão e também nos bailes com seu conjunto. Na música do Brasil, que acabou incorporada definitivamente com a Tropicália.

TALVEZ VOCÊ SE INTERESSE TAMBÉM POR ESTE :

Guarda Civil: O apito da autoridade- 1959 (dellamonica.com.br)

Deixe uma resposta