Wanderleá a Ternurinha – Pare o Casamento, Sr. Juiz

The playlist identified with the request's playlistId parameter cannot be found.

Wanderléa Charlup Boere Salim (Governador Valadares5 de junho de 1946) é uma cantoracompositoraatriz e instrumentista brasileira, de ascendência libanesa.

Tornou-se famosa durante o movimento Jovem Guarda, fazendo sucesso juntamente com seus amigos Roberto Carlos e Erasmo Carlos no programa de televisão homônimo. Trabalhou como atriz principal no filme brasileiro “Juventude e Ternura” (1968), direção de Aurélio Teixeira, bem como contracenou com Roberto e Erasmo em Roberto Carlos e o Diamante Cor-de-rosa (1970) de Roberto Farias, entre outros filmes.

Biografia

Descendente de libaneses, nasceu em Santo Antônio do Pontal, distrito de Governador Valadares[1], Wanderléa passou a infância em Lavras e depois se mudou aos nove anos de idade para o Rio de Janeiro com a família, composta por seus pais e muitos irmãos, para tentar uma vida melhor, sem sequer desconfiar que se tornaria uma das mais importantes cantoras brasileiras.

Carreira

Aos dez anos de idade ganhava concursos em rádios e lançou em 1962 o primeiro compacto. No ano seguinte, sai o primeiro LP, “Wanderléa”, pela Discos CBS, na época uma subsidiária da Columbia Records. Na gravadora conhece Roberto Carlos, quem namorou por pouco tempo, e Erasmo Carlos, passando a apresentar em agosto de 1965 o programa Jovem Guarda pela TV Record de São Paulo. Transmitido nas tarde de domingo, o programa teve uma das maiores audiências da época e lançou diversos artistas. Wanderléa e Celly Campelo foram as primeiras estrelas do rock brasileiro. Participou de filmes ao lado de Roberto Carlos e, depois de terminada a Jovem Guarda, continuou a carreira como cantora pop. Atualmente se apresenta cantando seus maiores sucessos, como “Pare o Casamento” (versão de Luís Keller), “Ternura” (Rossini Pinto) e “Prova de Fogo” (Erasmo Carlos).

Aos quinze anos cantava em boates, e como era menor, pedia autorização ao juizado de menores e aos seus pais para assinarem. Seu pai, no começo, não aceitava a carreira da filha, mas com o tempo entendeu que a jovem tinha grandes talentos musicais.

Um grande sucesso de Wanderléa, “Te Amo”, esteve nas trilhas sonoras nacionais das novelas Caras & Bocas e Guerra dos Sexos (remake) da Rede Globo. A mesma música já havia entrado para a trilha de uma novela dos anos 90, Pedra Sobre Pedra. Graças a essa canção, Wanderléa voltou a ter destaque na mídia.

Vida Pessoal

Wanderléa sofreu muitas perdas em sua vida. A primeira delas foi aos dez anos de idade, quando se desesperou ao descobrir que sua irmã mais velha foi morta vítima de bala perdida. Este fato abalou para sempre a vida de Wanderléa e de toda a sua família.

Wanderlea, 1972. Arquivo Nacional.

No começo de sua carreira, aos dezesseis anos, começou a namorar Zé Renato, filho de Chacrinha. Em poucos meses de namoro ficaram noivos. Após sete anos juntos, houve uma tragédia: Zé sofreu um acidente e ficou paraplégico. Wanderléa entrou em grave depressão e com o tempo o relacionamento entrou em crise porque ele não queria ser um peso na vida dela. Apesar de ter lutado por ele, respeitou a decisão de Zé e se separou do noivo.

Após a separação, namorou alguns cantores e compositores da época. Também teve um curto namoro com Roberto Carlos. Depois conheceu o guitarrista chileno Lallo Correia.[2] Os dois começaram a namorar e em pouco tempo se casaram. Em 1982, nasceu o primeiro filho do casal: Leonardo. Em 1984 houve uma tragédia: Leonardo morre afogado aos dois anos de idade. O garoto estava andando de triciclo e acidentalmente caiu na piscina. Chegou a ser socorrido mas não resistiu. Os dois tiveram mais duas filhas: Yasmin e Jadde. As duas tem menos de dois anos de diferença e nasceram no fim dos anos 80.

Passou por outras perdas, como a morte do pai, que a deixou muito abalada e pouco tempo depois, em 1996, seu irmão morreu vítima da AIDS, que a fez cair em depressão, que a abalou emocionalmente ao ponto de, segundo ela, ter lhe causado um câncer no útero, tendo que fazer uma histerectomia. Mas conseguiu recuperar sua saúde e ânimo e, segundo suas próprias palavras, “se aparece um problema diz: ‘vamos ver como podemos resolver’, e não se altera.”

Continua casada com Lallo, mas os dois moram em casas separadas, e a cantora diz estar bem feliz assim, já que percebeu que morando juntos não se davam tão bem, e pelo casal gostar de uma relação mais livre, convivem como dois namorados.

Revelou em entrevistas ficar incomodada com a fama, que lhe trouxe problemas com o tempo: por exemplo, ao passar na rua com seus carros importados, as pessoas humildes a apontavam nas ruas comentando: “lá vai a Wanderléa com o seu carrão”. Isso a chateava, dizendo que também já foi muito pobre e entende o sofrimento dos humildes, mas ninguém reconhecia isto. Desde os tempos da Jovem Guarda, tem o apelido de Ternurinha, que no início não lhe agradava muito, pensou até em fazer uma campanha para mudá-lo. Mas depois foi se acostumando e acabou por aceitar. Outro apelido que recebeu também na época da Jovem Guarda, foi Wandeca.

No início de 2017, Wanderléa apresentou no Rio de Janeiro e em São Paulo, o musical 60! Década de Arromba, revivendo acontecimentos importantes da década de 60, apresentando vários figurinos diferentes e interpretando seus sucessos como Ternura e Pare o Casamento.

Deixe uma resposta